A população de Mavago, posto administrativo de M´swase, na província de Niassa, reivindica uma parte de área minerada neste posto de exploração do rubi, minério mas predominante naquela zona.

Os nativos de Mavago, sobretudo os jovens, sustentam que a interdição do garimpo, que era sustentada por cidadãos dos grandes lagos, retirou-lhe a única fonte de sobrevivência que tinham.

Advertisements

A rentabilidade do garimpo de rubi fez com que uma parte significativa da população de M´sawisa trocasse a agricultura, com enfoque para as culturas alimentares e de rendimento, pela mineração legal. O Governo concessionou os direitos de exploração de rubis a favor da associação Ntaka Wettu (nossa terra).

Entretanto, esta medida não foi vista com bons olhos pela população que decidiu invadir a zona mineira, tendo provocado confrontos com a associação que ganhou os direitos para explorar os rubis. A população foi chamado ao local e prendeu 16 populares.

Fabião Lassine, jovem residente em Mavago, em declarações ao Noticias, disse não fazer sentido que a população local seja impedida de usufruir dos benefícios do que a natureza oferece.

Falando em nome da comunidade, Lassine alegou que, sendo vasta, a área de mineração concedida a referida associação devia ser parcelada para que a comunidade possa usufruir dos benefícios que ela oferece e do mesmo modo, amainar os ânimos exacerbados que caracterizam o quotidiano de M´swase.

Valente Farahane, em representação do Governo de Niassa admitiu haver índices de desorganização no processo de exploração de recursos minerais em M`swase, onde segundo ele, constata-se a fraca presença de membros de uma outra associação de garimpeiros licenciada para a extração de pedras preciosas naquela parcela.

Por outro lado, Farahane prometeu encaminhar o assunto a direcção provinciais de recursos minerais e energia no Niassa para se encontrar uma solução que acomoda as partes em litígio

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.